sábado, 6 de dezembro de 2008

Literatura Espírita Brasileira

Acreditamos que já está na hora de começarmos a pensar no título acima: Literatura Espírita Brasileira, mas também pode ser “Literatura Brasileira com temática Espírita”. Deste modo, o livro, os autores (espírito e médium), os leitores estarão nos proporcionando excelente material para pesquisarmos o vigor da arte literária espírita, suas interpretações, releituras, re-escrituras e afins.

Vez por outra ficamos sabendo que em alguma faculdade, por este imenso Brasil, alguém está defendo uma monografia de graduação, um trabalho de pós-graduação, uma dissertação de mestrado ou tese de doutorado com um tema ligado ao Espiritismo. Eis aí uma boa sugestão de pesquisa: começarmos a catalogar que teses são essas, que trabalhos são esses ? onde foram defendidas ? etc.

No campo da pesquisa acadêmica, é uma investigação longa. Quantos romances espíritas já foram publicados? Quantos contos espíritas já foram lançados ? Quantas peças teatrais já foram escritas, editadas e encenadas ? E temos os autores clássicos, Emmanuel, por exemplo, através da psicografia de Chico Xavier, nos romances Há dois mil anos e 50 anos depois. Temos também os autores novos. Os autores espíritos e os autores médiuns. E as poesias ? e os poetas ? Nessa proposta de estudo, levamos em conta não apenas o conteúdo doutrinário, mas também investimos na análise literária. Temos observado uma gama muito grande de possibilidades para estudarmos de forma criativa (partindo dos pressupostos da Ciência da Literatura) os romances espíritas, os contos, as crônicas, as peças teatrais, as letras de música, as poesias e assim estaremos semeando os textos espíritas no âmbito da Literatura Brasileira.

Podemos então ver em Chico Xavier e outros, não apenas o grande médium e psicógrafo que foi, mas também um grande escritor, um notável romancista, um ótimo contista, um criativo poeta, um brilhante cronista etc.

O assunto é também, um bom tema para a Literatura Comparada, por exemplo: as obras de um determinado autor quando encarnado e as obras desse mesmo autor, já desencarnado.

Verificamos então, que o alcance da Literatura Espírita Brasileira é bem amplo. Fica desde já a sugestão para que estudantes e professores, espíritas ou não, no campo das faculdades de Letras, comecem a pensar e refletir no que escrevemos acima.

A produção editorial espírita no Brasil atualmente é muito boa, grande e significativa. Sem dúvida, merece estudos e pesquisas. Quem concordar, mãos à obra !

(*) Professor de Literatura com mestrado e doutorado em Letras na UFRJ.

Um comentário:

ROGEL SAMUEL disse...

EU CREIO QUE ESTE TEMA MERECE UMA TESE DE DOUTORADO.
ABRAÇO,
ROGEL